sábado, 27 de dezembro de 2014

Organização de final de ano: sapatos

Parece clichê mas realmente esta época de final de ano nos inspira a arrumar espaços, a limparmos nosso entorno, visando começar o ano novo com boas vibrações.

Não sei vocês, mas eu tenho muitas coisas a arrumar! Minha escrivaninha teima em juntar papéis que não sei de onde vêm; há excesso de roupas, principalmente camisetas (um vício) que precisam urgentemente serem triadas; e excesso de sapatos que se espalharam por três locais diferentes.

Usando um ensinamento que li no blog Vida Organizada resolvi que hoje iria atacar UMA frente só: escolhi os sapatos, até porque meus presentes de natal foram novos pares, que estavam sem-teto.


Não foi fácil. Eu compro sapatos não pela praticidade ou conforto e, sim, pela aparência. Gosto dos coloridos, dos diferentes, dos enfeitados, com brilhos, com cristais -- resultado: tenho praticamente pares únicos, cada qual específico para um tipo de roupa ou ocasião.

Se fosse organizar por originalidade teria que manter todos, não haveria o que ser retirado da lista. Como excluir o de pied de poule? O de tigre? O improvável amarelo com aplicação de aranha?

A solução foi esquecer um pouco o visual e priorizar a procedência.
Mantive todos da Tatiana Loureiro (sapatilhas e sandálias que são extremamente confortáveis -- com o bônus de serem incomuns), os de grife (Prada, Chanel, etc.) e, finalmente, fiz somente duas ou três concessões à originalidade.

Resultado: Enchi duas sacolas para doação. Todos os pares que ficaram couberam novamente no guarda-roupa, nos locais específicos para eles, e... eu estou mais leve!


O que aprendi com isto

a) É muito boa a dica de somente atacar uma frente por vez. 
Tenho ímpetos de colocar tudo abaixo, roupas, sapatos, bolsas, etc., e depois remontar o guarda-roupa. Ainda bem que fico somente na vontade! É um erro: você acha que vai arrumar TUDO e, no final do dia, está exausta, com 80% ainda fora do lugar e, logicamente, desesperada.

b) É absolutamente necessário ter um critério claro para a triagem.
Se não houvesse decidido antes de começar a limpeza qual seria o método de análise dos pares, com certeza teria tudo voltado para seus (três) lugares anteriores. Afinal, se algum dia você comprou aquele sapato (vale para roupas, para tudo), é porque você GOSTOU dele. E tirando o caso dele estar desgastado, você provavelmente continua gostando. Como deixá-lo ir? Assim: Se não encaixou no critério, é descartado.

Para roupas o raciocínio é similar, podendo ser: só manter o que veste bem; o que está na moda; o que é seu estilo; o que tem cores que lhe favoreçam; etc. Cada pessoa sabe o que é mais importante para si.


Se a gente não organizar os pertences esporadicamente corremos o risco de ter mais coisas do que conseguimos usar: por falta de oportunidade ou -- pior, e que acontece muito -- por ter esquecido que tinha aquele item (objeto, roupa, sapato, etc.). [Dei vários pares sem uso, sei do que estou falando].

Sugestão? Anime-se e aproveite estes últimos dias do ano para organizar algo que seja importante para você. A sensação final é ótima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário estará visível após moderação. Obrigada!