quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Limpando o closet

Adoro organizar guarda-roupas, prevendo o melhor espaço para cada tipo de peça e compartimentando em caixas transparentes o que antes não ficava à vista.

A parte do "o que fica, o que vai" da arrumação sempre requereu muita disposição para experimentar TUDO e um bom espelho. Mas às vezes a gente empaca com algumas roupas que ficam naquele limbo entre estarem razoáveis, continuando no armário, e estarem estranhas, devendo ter outra disposição.


Um artigo da Cosmopolitan tratou disso de forma original e engraçada. E super resumo, diz o seguinte:

Retire do seu guarda-roupa:
  1. O que você não gosta mais.
  2. O que estiver manchado.
  3. Peças fora de moda.
  4. Roupas com bolinhas, rasgadas ou puídas.
  5. Itens que não servem mais.
  6. O que você não usa há mais de um ano.

Em todos esses casos a gente pode racionalizar e pensar: "Ainda dá pra manter, vou fazer ginástica com ela, vou usar em casa, etc.".

Porém, vestir-se deve ser um prazer, não uma tortura. Se você sempre acumular coisas que não gosta e/ou que não estão em forma pensando em usar "em casa", nunca terá espaço para uma peça agradável e bonita para passar seu tempo de descanso.

O melhor é doar para caridade ou, se estiver ótima, tentar vender online ou em consignação.


Precisamos ter uma atitude realista com itens que precisam de costureira, de tintureiro, de reforma. Se pelo hábito já sabemos que será efetivamente difícil enviar essas peças para conserto e limpeza, o melhor mesmo é se desfazer já.
O risco de deixá-las no guarda-roupas é claro: o closet parece sempre cheio mas você não tem nada bom para usar.

Triar é sempre difícil, há apegos sentimentais a algumas roupas, lembranças em outras, esperança de vir a servir novamente, etc. Muitas vezes ajuda ter uma amiga decidida por perto.
Mas será visível a diferença que fará na hora de você se vestir quando tudo que estiver no armário você amar e estiver em ótimas condições. Tente!