sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Ditadura da beleza

Stop the beauty madness. Sob esse título, traduzido livremente pela revista TPM (neste link) como "Abaixo a ditadura da beleza", foi criada uma campanha para fazer pensar sobre o padrão de beleza atualmente imposto pela mídia, tendo principalmente as meninas e jovens mulheres como alvo.

Com 25 imagens que pretendem viralizar nas redes sociais, a campanha chama a atenção para o fato chocante da busca pela "beleza ideal" estar consumindo as meninas e sendo motivo de angústia e tristeza para todas as mulheres.

Imagine a clássica pergunta que fazemos costumeiramente às crianças:
_"O que você quer ser quando crescer?", recebendo esta resposta:
_"Bonita".

É uma grande inversão de valores! 

Muito disso pode estar sendo causado pela observação das mulheres que aparecem todos os dias na tela de seu micro, na TV e nas revistas nas Bancas, com ampla exposição física, onde fica claro que estão lá por terem sido escolhidas pelo rosto, pelo corpo e onde quase nunca se fala de suas realizações intelectuais.

As criadoras da campanha querem modificar a mentalidade de busca pela beleza física, querem mostrar que a beleza deve vir em forma de qualidades pessoais e não de medidas perfeitas.

Acho a iniciativa muito boa, servindo de alerta para os excessos que estamos cometendo atualmente em nome de uma figura física "ideal". A beleza nunca vai deixar de ser almejada, isso é característico do ser humano, porém podemos mostrar que ela não é TUDO a ser almejado.
Que ao lado do interesse pela dica da blogueira de maquilagem devemos conviver com a busca pela leitura, pelo desenvolvimento de um talento, pela cultura em geral.
Se as meninas crescerem somente querendo serem iguais à atriz X, ter o cabelo no comprimento da estação, a pele da moda (agora é com sardas, já sabia?), o quão vazia e frustrante será a vida dessas mulheres?

#stopthebeautymadness


Reportagem afim:
A TPM continuou a abordar a ditadura da moda, agora por um ângulo totalmente inusitado para nós, brasileiras, na reportagem Entre a burca e o biquíni (este link), perguntando: "Que ditadura é pior: ter que andar coberta ou ter que estar “em plena forma”?"

A reportagem mostra a experiência de Vanessa Ruiz com as tradições de vestimentas locais dos Emirados Árabes. Em alguns locais apenas os cabelos são obrigatoriamente cobertos, em outros existe a exigência de uso de uma túnica (abaya) que serve para encobrir o formato do corpo, em outros o uso de burca era comum.

Muito interessante ler o sentimento da autora ao usar essa túnica e se sentir aliviada por estar "escondida". Em suas palavras:
_"Depois entendi o porquê do conforto: chamar a atenção somente por fatores estéticos sempre me pareceu injusto e desgastante, e, de alguma forma, vestir aquela túnica me poupava disso."


Longe da discussão religiosa, o que esse texto nos mostra novamente é que a beleza, quando o foco é muito intenso somente sobre ela, nos oprime. Vale a pena ler!