quinta-feira, 22 de maio de 2014

Amigas

Ando triste, sem ânimo, desencantada da vida. Demorou um pouco mas percebi que tudo isso é porque uma amiga querida -- querida, não: queridíssima! -- está mudando para Miami este final de mês.

Como é duro perder o contato semanal com alguém com quem você tem uma identificação muito grande, não é? E nós temos tudo parecido: filhos quase das mesmas idades e que estudaram juntos, mães com exatamente as mesmas dificuldades de convivência, maridos workaholics, questionamentos sobre carreira... e por aí vai.

Amizades verdadeiras são raras, difíceis de conseguir e, neste SP maluco de trânsito impossível, complicadas de se manter. E quanto mais velho você fica, mais difícil surgirem essas amizades mágicas, que vêm da vivência e do enfrentamento dos mesmos conflitos nas mesmas horas.


Não posso me queixar muito, pois tenho uma irmã-amiga: extrapolando em muito os laços de família, temos uma amizade sincera e real.

E também tenho uma amiga-irmã: aquela amiga da adolescência com quem vivemos parte da vida e que, mesmo não vendo quase nunca, ao nos reencontrarmos surge aquela intimidade e aquela camaradagem igualzinha a como se continuássemos a nos ver na escola todos os dias. 

Mas minha amiga-amiga está indo embora, e eu estou sofrendo por isso...

Marcia, torço por você e espero que sua estada em Miami seja feliz e produtiva. Claro que irei visitá-la, conte com isso. Mas saiba que vou sentir imensa falta dos nossos cafés da manhã e nossas tardes de passeio e conversas infindáveis, onde o melhor e o pior de nós mesmas podia ser dito e sempre seria acolhido com um abraço. Boa viagem, Amiga!!!



#Conselho
Se você tem uma boa amiga, não descuide nunca desse laço. Amigas são tudo de bom, são um alicerce fora da família, são a última fronteira entre você e esse mundão aí de fora. Eu amo as minhas!!!