domingo, 9 de dezembro de 2012

Livro: A Quinta Mulher

Livro de Henning Mankell, sueco intitulado "o rei do crime" pela Economist, este é o sexto volume de uma série policial protagonizada pelo detetive Kurt Wallander.


Com uma introdução dessas aliada a uma lombada toda preta -- adoro livros que têm detalhes bem cuidados -- mergulhei animada na brochura de 540 páginas.

No entanto, foi um sacrifício terminá-lo. Acho que levei um mês inteiro, com grandes ausências de dias entre poucas horas de empenho na leitura.

Explico: a motivação do assassino fica clara logo no primeiro capítulo. Nele você entende sua obsessão e seus métodos. O restante das páginas fica por conta da narrativa do detetive e seus colegas policiais, perdidos em conjecturas, reclamando do frio, da lama e do vento -- sim, reclamam disso o tempo todo!!! -- e também reclamando de como a Suécia atual está marcada pela violência. [Para nós é até engraçado ler tais coisas, dada a nossa realidade].


Mas enfim, consegui acabá-lo hoje e não recomendo para ninguém. Arrastado, lotado de conversas estilo small talk (aquelas conversas em que se comenta o óbvio e que não traz qualquer conclusão ou interesse), com uns trinta personagens aparecendo aqui e ali, todos com esquisitíssimos nomes suecos, difíceis de lembrar (rs).

Se a estória fosse contada em 150 ou 200 páginas, acho que agradaria muito mais. Mas parece que os autores firmam contrato com as editoras para um número X de páginas e depois nós é que temos que aguentar a enrolação para conseguirem essa meta. Uma pena. E uma grande perda de tempo.  :(